Deus ainda usa “corvos”

I Rs 17.6 E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como também pão e carne à noite; e bebia do ribeiro.

Estou reeditando esta experiência de novo, pois ela é mui importante para aqueles que estão no campo missionário passando por algumas necessidades e lutas econômicas.

Confiem em Deus, Ele não mudou e é Fiel para suprir as nossas necessidades em Cristo Jesus.

No final do ano de l985, alguns meses antes de voltarmos ao Brasil, recebíamos em nosso lar o casal Roberto Romero e sua esposa Abadia e seus cinco filhos pequenos.

Roberto nosso irmão em Cristo e de sangue e sua esposa Abadia, haviam aceitado o desafio de deixarem o Brasil para ganhar almas conosco na Patagônia. Assim sendo, ficamos morando na mesma casa por alguns meses.

A Prova do dia – necessidade de pães

Numa certa manhã depois de orarmos, percebemos que não tínhamos recursos para comprar pães para o café da manhã. Pouco depois, oito crianças, os meus três filhos e cinco do pastor Roberto despertariam e iriam correndo para a mesa para desfrutarem do café matinal.

Preocupados oramos ao Senhor porque estávamos ali sem sustento e apoio do Brasil, mas dependendo totalmente do Deus de toda Provisão. Passados alguns minutos após a oração, alguém bateu na porta, que prontamente fomos abrir.

A impactante resposta de Deus

Qual não foi a nossa surpresa quando nos deparamos com uma senhora mendiga que já havíamos visto muitas vezes nas ruas da cidade, era considerada “persona no grata”, pois era chilena e sempre criticava as autoridades da cidade caminhando de um lado para outro.

Ela não tinha família ali, e seu lar era a rua; sua cama de dormir eram os cantos das esquinas.

Eu e o pastor Roberto ficamos realmente surpresos quando ela nos dirigiu a palavra perguntando se ali morava o pastor da Igreja. Respondemos que sim e que éramos os pastores da Igreja.  

Então a mendiga relatou-nos que naquela manhã ao entrar em uma padaria para pedir pão, disse ela que “ouviu uma voz que lhe dizia que deveria pedir mais pães”.

Ao olhar para traz e dos lados ela não viu ninguém e a voz ressoou mais uma vez dizendo “peça mais pães”. Depois de pedir mais pães a mesma voz soou: “leve para o pastor”.

A mendiga relatava este fato e nós estávamos escutando com atenção.

Caminhando pelas ruas ela conseguiu informações de que havia uma igreja evangélica perto do mar, foi quando chegou até a nossa casa. 

A Benção de Deus chegou


Depois de contar o acontecido com um sorriso nos lábios estendeu as mãos entregando-nos um pacote com muitos pães quentinhos. Ao pegarmos os pães emocionados e alegres pelo cuidado do Pai de Amor, convidamos a mulher para vir ao culto naquela mesma noite. 

Cabe relatar também que quase não podíamos ficar perto dela, estava suja, cheirava mal, cabelos empastados de gordura e terra, era realmente algo de sentir muita pena e compaixão.

Mas aprouve a Deus usar sua vida, apesar de que havia alguns irmãos morando na cidade, Deus mostrou que era Ele que estava enviando a provisão, pois Ele usa quem quer da maneira que quer, e não dá sua Gloria para ninguém.

Quando as crianças acordaram, a mesa estava preparada, oramos agradecendo ao Senhor com lágrimas nos olhos e com o coração fortalecido, pois O Deus fiel mais uma vez havia enviado o “corvo” para nos trazer o pão.

Cristo entrou no coração da mendiga

À noite a mendiga aceitou a Jesus em seu coração, e foi-se dali e depois de alguns meses foi assassinada.

Cremos que ela esta no Paraíso com o Senhor, esperando o dia da ressurreição e será galardoada por “obedecer e levar pães aos missionários na Patagônia”.

A Deus seja a gloria, honra e louvor. 

Deus jamais abandonará seus filhos, sobretudo aqueles que foram chamados e enviados ao campo missionário. “o choro pode durar uma noite, mas a alegria virá pela manha”. 

Pastor Antonio Romero Filho

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: