5 novos patrimônios mundiais da Unesco, um deles no Brasil

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, conhecida como Unesco, escolheu novos 34 lugares que, a partir de agora, recebem o título de Patrimônio da Humanidade. Dentre eles, cinco estão localizados na América Latina e um deles no Brasil: o Sítio Roberto Burle Marx, que fica no bairro de Guaratiba, no Rio de Janeiro.

© Veronica Raner

© Veronica Raner

O sítio Roberto Burle Marx, no Rio de Janeiro, se tornou um patrimônio da Unesco.

O local pertencia ao famoso paisagista Burle Marx, que iniciou o projeto no ano de 1949, ao comprar o espaço em parceria com seu irmão, Guilherme Burle Marx. Ao longo dos anos, os dois adquiriram outras propriedades ao redor até que, em 1985, doaram o espaço ao governo federal.

O sítio é uma verdadeira obra de arte a céu aberto e uma relíquia em termos de variedade de flora: são cerca de 3,5 mil espécies de plantas.

Além do sítio carioca, também foram incluídos na lista o Complexo Arqueoastronômico de Chankillo, no Peru; a Igreja de Atlântida, no Uruguai; o assentamento e a mumificação artificial da cultura Chinchorro, no Chile; e o Mosteiro e Catedral de Nossa Senhora da Assunção de Tlaxcala, no México.

© Veronica Raner

As construções do Sítio Burle Marx, que fica em Guaratiba.

Confira um pouco sobre esses verdadeiros monumentos da História:

Assentamento e mumificação artificial da cultura Chinchorro, no Chile 

O complexo de Chinchorro é formado por três partes: Faldeo Norte del Morro de Arica, Colón 10, ambos na cidade de Arica, e Desembocadura de Camarones, em um ambiente rural cerca de 100 km ao sul. Juntos, eles dão testemunho de uma cultura de caçadores-coletores marinhos que residiam na árida e hostil costa norte do Deserto de Atacama, no extremo norte do Chile, de aproximadamente 5.450 aC a 890 aC.

A propriedade apresenta os mais antigos indícios arqueológicos conhecidos de mumificação artificial de corpos com cemitérios que contêm corpos mumificados artificialmente e alguns que foram preservados devido às condições ambientais. Com o tempo, os Chinchorros aperfeiçoaram práticas mortuárias complexas, por meio das quais sistematicamente desmembraram e remontaram corpos de homens, mulheres e crianças falecidos de todo o espectro social para criar múmias “artificiais”.

© Veronica Raner Igreja de Atlántida, no Uruguai

A Igreja de Atlántida, com campanário e batistério subterrâneos, está localizada na Estación Atlántida, a 45 km de Montevidéu. Inspirado na arquitetura religiosa paleocristã e medieval italiana, o complexo modernista da Igreja, inaugurado em 1960, representa uma nova utilização de tijolos expostos e reforçados.

Construída em planta retangular de um único hall, a igreja apresenta paredes onduladas distintas suportando um telhado ondulado similar, composto por uma sequência de abóbadas gaussianas de tijolos reforçados desenvolvidas por Eladio Dieste (1917-2000).

A Igreja é um exemplo eminente das notáveis ​​conquistas formais e espaciais da arquitetura moderna na América Latina durante a segunda parte do século XX, encarnando a busca pela igualdade social com um uso moderado de recursos, atendendo a imperativos estruturais de grande efeito estético.

© Veronica Raner

© Veronica Raner Complexo Arqueoastronômico de Chankillo, no Peru

De acordo com a Unesco, o sítio arqueológico data do período entre 500-200 a.C. O Complexo Arqueoastronômico de Chankillo fica localizado na costa centro-norte do Peru, no Vale do Casma, que compreende um conjunto de construções em uma paisagem desértica. Junto com as características naturais, esses monumentos funcionavam como um calendário, usando o sol para definir datas ao longo do ano.

O local inclui um complexo no topo de uma colina com paredes triplas, conhecido como Templo Fortificado, dois conjuntos de edifícios chamados Observatório e Centro Administrativo, uma linha de 13 torres cubóides que se estendem ao longo da crista de uma colina e o Cerro Mucho Malo que complementa as Treze Torres como um marcador natural.

© Veronica Raner Mosteiro e Catedral de Nossa Senhora da Assunção de Tlaxcala, no México

Os primeiros mosteiros do século XVI nas encostas do Popocatepetl formam uma propriedade com 15 partes localizada nos estados de Morelos, Puebla e Tlaxcala no México, construída como parte da evangelização e colonização dos territórios do norte do México.

Encontram-se em excelente estado de conservação e são bons exemplos do estilo arquitetônico adotado pelos primeiros missionários — franciscanos, dominicanos e agostinianos — que converteram as populações indígenas ao cristianismo no início do século XVI.

© Foto 1: Oscar Liberal/Iphan // Foto 2: Diego Rodriguez/Iphan // Foto 3: Bernardo Arriaza/Regional 

Fonte: https://www.msn.com/pt-br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: