Minha inesquecível viagem à China comunista

Existem fatos e acontecimentos de nossas vidas que jamais poderemos esquecer. Um destes foi a minha primeira viagem a Pequim –  China Comunista em 1991, foi uma experiência inesquecível que passo a relatar aqui, pois recordar não é saudosismo mas sim recordar histórias que ficam marcadas em nossos corações.

Praça central em Macau – China – foto Google

Milhões de chineses ainda não ouviram  a mensagem do Evangelho

Em minha viagem de ônibus de Macau para Cantão, com destino a Pequim capital da China Comunista, pude testificar para um chinês que viajava ao meu lado, quando lhe falei de Jesus, o dito cidadão balançou a cabeça respondendo que conhecia muito bem Buda mas Jesus, acrescentou, “nunca ouvi falar deste nome”.

Ali mesmo de maneira simples e objetiva preguei a mensagem da cruz para alguém que nunca ouvira falar de Jesus.

Cidade Proibida – Pequim – China – foto Google

Assim que cheguei em Cantão, fui direto para o aeroporto para viajar de avião até a grande capital da China, a famosa e conhecida cidade de Pequim.

Durante os dias que permaneci em Pequim,fiquei  hospedado num pequeno hotel fora das imediações do centro da cidade, pois os hotéis do centro são caríssimos.

O encontro e amizade com simpáticos jovens chineses no centro de Pequim

No centro da cidade de Pequim tive a oportunidade de travar amizade com três  jovens que falavam inglês;

Continuei encontrando-me com os três jovens, dois rapazes e uma moça. Os três eram gente boa e companheiros e sempre estavam dispostos a levar-me a lugares curiosos e interessantes para conhecer.

Pequim – Capital da China Comunista – foto Google

Numa daquelas ocasiões, almoçando com eles num pequeno restaurante, durante a conversa um dos jovens disse-me: “sabes porque estamos te ajudando? Respondi: “não”. O jovem acrescentou: “é porque o teu Deus está te ajudando!”.

Fiquei surpreso e logo descobri que haviam aprendido inglês numa escola na capital, onde um professor americano lhes havia falado do Deus dos ocidentais. O americano era um missionário oculto  em ação, que trabalhava como professor de inglês, utilizando assim, a oportunidade para evangelizar na China comunista.

Eu mesmo pude contemplar alguns templos evangélicos abertos, mas só para turistas, pois tudo estava controlado pelas autoridades chinesas.

A minha grande oportunidade de falar do amor de Deus

A minha grande oportunidade para falar do amor de Deus, àqueles jovens surgiu, quando fomos almoçar, na casa de um professor chinês, num dos bairros de Pequim. Fomos de táxi, e ao adentrarmos para o interior da casa do professor, fomos recebidos com muita alegria pelo jovem professor e pelos seus velhos pais.

Logo depois de apresentados, o professor perguntou-me se no Brasil era fácil comprar televisores e geladeiras. Respondi-lhe que sim. O professor aparentando tristeza acrescentou que na China era impossível adquirir tais eletrodomésticos, pois os médicos e professores de faculdades ganhavam uma média de cem dólares mensais, isto, no ano de 1991.

A canção chinesa foi o ponto de contato para anunciar o Evangelho

Depois de uma rica refeição, a jovem que nos acompanhava pegou um violão e começou a dedilhar e a cantar em mandarim, idioma oficial da China. Fiquei curioso em saber a letra da música pois a melodia era linda de ouvir.

g

Estação Central de Trem em Pequim – China – foto Google

Perguntei-lhe se podia traduzir para o inglês o que ela estava cantando em mandarim. Interessada em ensinar-me a letra da canção chinesa, cantada por milhões de chineses, a jovem traduzia cantando compassadamente.

O interessante e curioso é que, uma parte da canção dizia: “quem me indicará o caminho? quem me mostrará a saída?. Naquele momento o Espírito Santo, abriu-me uma grande e eficaz porta para anunciar-lhes a mensagem da cruz de Cristo.

O momento em dar-me a conhecer e também meus objetivos da viagem

Até aquele momento eu não tinha declarado a nenhum deles que era um missionário evangélico, pois estava caminhando com prudência, pois havia dezenas e centenas de policias secretas, acompanhando os passos de todos os turistas que entravam na China e até hoje acontece a mesma coisa com estrangeiros que visitam a China.

A presença e a unção do Senhor encheu a minha vida de coragem e ali, após ouvir aquelas palavras, manifestei-lhes que era um missionário brasileiro em terras chinesas levando a Palavra de Cristo, e que Deus me havia enviado para lhes mostrar e indicar “o caminho e a saída”.

Praça da Paz Celestial – Pequim – China – foto Google

Senti a  presença de Deus enchendo  a sala onde estávamos e com simplicidade e singeleza anunciei-lhes que “Jesus Cristo, é o Caminho, a Verdade e a Vida”.

Alguns minutos depois de explanar-lhes o Evangelho, todos estavam atônitos e permaneceram em silêncio por alguns minutos. Para não confundir-lhes, encerrei a mensagem, quando de repente o jovem professor chinês, o proprietário da casa, com lágrimas nos olhos, saiu de seu lugar, sentou-se mais perto mim, e disse-me: “por favor Toni, fale-me mais de Deus, de Jesus Cristo!”.

Todo ser humano tem um vazio no seu coração do tamanho de Deus

Percebi a sede que havia no coração do jovem chinês que pela primeira vez em toda sua vida estava recebendo a Palavra da Vida Eterna, aquele era o retrato de bilhões de chineses sedentos por conhecerem o Verdadeiro Deus.

Depois de algumas horas, despedi-me da família chinesa e voltei com os meus companheiros para o hotel onde estava hospedado nos derredores de Pequim.

Centro de Pequim – China

No outro dia novamente nos encontramos, no centro da cidade para almoçar, e ali junto deles, caminhando para o restaurante, a jovem interpelou-me e disse: “Toni, (assim me chamavam) ontem a noite, antes de dormir, ajoelhei-me ao lado da cama, e pedi para Jesus entrar em meu coração”.

Hoje despertei-me feliz, cheia de paz e parece que estou “andando nas nuvens”, sinto-me leve e tranquila, creio realmente que Jesus entrou em meu coração”.  Agradeci a Deus por aquela alma preciosa chinesa que havia tido um encontro com Jesus Cristo.

Viajando um pouco mais chegando até a fronteira da China com a Mongólia

Ao completar aproximadamente vinte dias em Pequim, consegui passagem de trem, para a Mongólia Interior, localizada no norte da China, despedi-me de meus amigos chineses, eu fui glorificando a Deus, por tudo que Ele havia realizado na vida daqueles jovens estudantes chineses, sobretudo pela jovem que havia tido verdadeiramente um encontro com Cristo em pleno coração da China.

Cidade de Arxan – Mongólia Interior – Norte da China

Após duas semanas viajando e evangelizando, fui até a Mongólia Interior, ali fiquei uma semana e pude visitar algumas Universidades, tive também a rica oportunidade de falar de Jesus para alguns alunos mongóis.

Logo após retornei para Macau, e reencontrei-me novamente com minha família que ansiosamente me esperavam com as boas novas. Relatei-lhes todo o acontecido na viagem, e juntos oramos agradecendo a Deus pela oportunidade de ter levando o Evangelho ao povo chinês.

Soli Deo Gloria

Pastor Antonio Romero Filho

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: